No dia 2 de novembro, partimos em uma pedalada mais longa, porém com percurso totalmente em asfalto.
Partimos do metrô Itaquera, com destino à Suzano-SP através do Rodoanel Mario Covas.
Você pode ver mais fotos aqui

Abaixo o tracklog desenhado posteriormente:

Relato:

Sérgio, Rosana e eu, nos encontramos com Djalma e Ronaldo na calçada da estação do metrô Itaquera por volta das 7h50.
De lá partimos para a Av. Itaquera em direção ao Parque do Carmo, contornamos o parque seguindo rua acima e de lá rumamos para a Av. Jacu Pêssego.
Neste trecho basta seguir sempre rumo ao sul. A Av. Jacu Pêssego recebe outros nomes no decorrer do caminho (Av. José Alencar Gomes da Silva e Papa João XXIII) e possui alguns sobes e desces.

Não tem erro, seguindo nesta direção, a avenida termina onde começa o rodoanel Governador Mario Covas,já na região pertencente à cidade de Mauá, daí basta passar por baixo do viaduto, contorná-lo para subir e seguir em direção leste.

Daí em diante, a pedalada fica mais agradável, pois o asfalto é ótimo. O dia estava meio nublado e precipitava algumas gostas de chuva, que ajudava a dar uma refrescada. Também fizemos uma breve parada antes do túnel para comer.

Por volta de 11h30 chegamos à um posto de atendimento ao usuário na rodovia, lá é um ótimo ponto para se reabastecer com água, e o melhor, estupidamente gelada.

Não demorou muito e o sol resolveu aparecer, então conforme pedalávamos era possível sentir o calor que emanava do asfalto, o alívio só aparecia quando algum caminhão passava e fazia um vento, ou quando pegávamos alguma descida.

Quando chegamos em Suzano, passamos por cima de um trecho do Rio Tietê, apesar de poluído, era possível observar alguns marrecos nadando e garças procurando e aparentemente conseguindo comida.

Pouco mais adiante, chegamos ao novo trecho leste do Rodoanel que é possível descer em direção a Rodovia Ayrton Senna.
Aqui existe um pedágio, e também é possível recarregar água, porém é preciso solicitar ao guarda, que me atendeu muito bem e ainda perguntou se queria normal ou gelada.

Seguimos para a Ayrton Senna e na região pertencente à Guarulhos paramos no Alambique Casteluche. Lá é possível provar alguns lícores, comprar vinhos, cachaças, rapaduras etc. Rosana comprou uma rapadura para dar à sua mãe, depois de permanecermos no local por uns 20 minutos seguimos nosso roteiro.


Pouco adiante na pista, existe uma passarela para pedestres, subimos por ela e seguimos para uma sorveteria, que também pertence ao Alambique Casteluche.
Chegando lá, um dos pneus da bike do Sérgio furou e o Ronaldo ajudou a remendar.
Ficamos na sorveteria por pelo menos 30 minutos e vale a pena essa parada.

Daqui, seguimos pela estrada interna que dá acesso a rodovia do Parque Ecológico do Tietê, lugar bem tranquilo e quase sem carros para se pedalar.

Após percorrermos todo o trajeto pertencente ao Parque Ecológico do Tietê, saímos na região do bairro da Penha.
Aqui já necessita de uma atenção maior, pois as ruas são irregulares e dividi-se espaço com os carros.
Também é bom andar em grupo, pois o local não aparenta ser o mais seguro.
Enfim seguimos nosso rumo pelas ruas do bairro, até que nos despedimos do Djalma por estar próximo à sua casa e seguimos por mais uns 10 minutos até chegarmos à Estação do metrô Carrão (15h30).

Total do percurso pedalado:
98.7km


Avatar

Rodrigo Hortenciano

Designer gráfico, com MBA em Marketing, atuando atualmente com como analista de mídias sociais. Sempre que possível gosto de fazer uma trilha, acampar, ou viajar para algum lugar longe da muvuca e geralmente gastando bem pouco ;)

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *