Nesta terceira incursão na Serra do Lopo fomos apenas em 4:
Rosana, eu, Edmar e Jéssica.

Vídeo resumo


Para ver todas as fotos dessa travessia, acesse nosso flickr

Para ler relatos anteriores a esse, acesse: http://www.exploradores.com.br/tag/pico-do-lopo/

Embarcamos em SP no Terminal Rodoviário do Tietê às 7h e chegamos em Extrema 8h45.
Depois de todos arrumados e ido ao mercado comprar mais algumas coisas como água, gatorade etc, seguimos para a entrada da trilha.
Desta vez haviam algumas bifurcações que anteriormente não existiam na região antes da Antena da Embratel.
Por sorte, desta vez levamos um GPS com tracklog e mapa da região, além do relato do Augusto impresso.
Sem perceber, por ser a terceira vez no local, estávamos mais relaxados e pegamos uma bifurcação que nos levou até um mirante numa área alta e dava pra ver a região de Extrema. Conferindo o GPS, notamos que estávamos voltando por uma outra rota.

Subi numa pedra que havia no local e avistei a Torre da Embratel à 220°.
Resolvemos voltar pra encontrar o caminho certo e nos deparamos com um Casal do RJ, daí contaram que estavam com o relato do Augusto também e que haviam pego algumas dicas por e-mail antes de irem.
Assim como nós, eles pegaram uma bifurcação aberta sem perceber e depois foram com a gente na trilha, porém pararam na pousada Céu da Mantiqueira (16h) para esperarem um outro casal de amigos.

Disseram que mais tarde iriam ao local do acampamento, deixei meu número de celular para contato, para o caso de dúvidas no trajeto, porém não apareceram.

Chegamos ao local de nosso acampamento às 16h40.
Montado acampamento e banho tomado, fizemos nossa sopa de legumes com calabresa e fomos dormir cedo, antes das 21h.

Fotos desse dia


Dia 3/11 – Levantamos 6h30, tomamos nosso capuccino com bisnaguinhas e clube social, desmontamos acampamento e nos dirigimos ao Cume.

Lá encontramos um pessoal que também conhece bem os relatos do Augusto e comentaram sobre uma outra rota que levava até Joanópolis.
No cume do Lopo, achei uma trilha à direita, desci sem a cargueira para dar uma olhada e cheguei numa fresta de Pedra meio estreita que bateu com o trecho do relato, porém ao ver mais a frente desta fresta, vi que estava muito fechada e um tanto íngreme, daí fizemos uma rota no sentido de Extrema para depois pegar uma bifurcação no vale e seguir paralelo à trilha demarcada pelo Augusto. (Dicas que os rapazes nos deram no cume)
Não achamos a bifurcação, porém na região que estávamos não era muito fechada e dava pra ir abrindo caminho seguindo paralelo.

Sem perceber, a rota foi tomando em direção ao norte, e corrigimos virando para a direção da trilha do Augusto.

Rosana tomou a frente foi subindo na mata, pegamos um trecho de mata fechada, ela por ser menor e ter mais agilidade nas pernas ia na frente observando o local para ver se dava para passar, eu ia atrás observando a bússola e GPS para ir corrigindo a navegação.

Depois de algumas horas andando, chegamos num trecho de água corrente.
Eram 13h45, paramos e fizemos um almoço para ter energia para continuar, pois não sabíamos o quanto andaríamos e esforço precisaríamos fazer.
Fizemos Risoto parmigiana com queijo ralado e numa outra porção acrescentamos atum com molho de tomate picante.
Depois de tudo lavado, às 15h seguimos na mata novamente.
Em alguns trechos tive de usar facão, para ajudar a abrir caminho, para Edmar e Jéssica que vinham atrás de nós.

Avistamos um paredão de pedra, mas dava para subir, começamos subir na suposição de que cruzaríamos com a trilha do Augusto, nos deparamos com demarcações de um trilha possivelmente aberta por caçadores, fomos seguindo e ao mesmo tempo de olho na bússola e no GPS averiguando a rota na mata.

Essa trilha nos levou até cerca de 180m de distância da demarcação do Augusto, ficando apenas separado pelo outro lado da Crista da Serra, que era um paredão imenso.
Chegamos numa área plana, mas com árvores. Já estava anoitecendo (17h40) e a neblina caiu rápido, então acampamos nesse local.

Fotos desse dia

Dia 4/11 – Pela manhã, (7h) avistei um mirante em menos de 10m de distância de nossas barracas, daí deu pra ver as nuvens abaixo de nós, pois estávamos a 1610m de altura.
Nesse mirante era possível ver a cidade de Vargem-SP à nossa frente e a Pedra do Lopo à direita.
A comida e a água já estava ficando escassa, daí resolvemos seguir a trilha demarcada que achamos após subir o paredão, mas no sentido contrário (descendo).
Chegamos num ponto que as demarcações nos fez dar uma volta em círculo, então paramos para planejar o percurso e já dava pra ouvir os carros na estrada mais nitidamente. Tentamos achar outras demarcações, mas sem sucesso.

Traçamos a rota em direção ao norte (cidade de Vargem) e de onde o som dos carros vinham, descemos a mata, por vezes abrindo caminho. Nossa “capitã do mato” Rosana foi na frente olhando a situação do terreno enquanto eu ia corrigindo as coordenadas conforme saíamos da rota contornando os obstáculos (Rochas, toiceiras de mata densa, árvores caídas etc)

Depois de um tempo, chegamos na região de vale e fomos seguindo o veio de água que serpenteava em direção norte. Fomos andando até que encontramos uma trilha bem aberta à esquerda já próximo à fazendas e sítios. Edmar foi dar uma olhada enquanto ficamos sentados descansando um pouco e comendo, quando voltou nos deu a notícia que dava para seguir por lá até chegar numa propriedade.

Fizemos o percurso e em menos de 40 minutos estávamos dentro de propriedades, ouvimos sons de latidos e fomos na direção oposta para outra propriedade.
Saímos dentro de um sítio (Sítio Coração de Jesus) às 13h. O dono nem se assustou conosco, só achou engraçado, deu risada e perguntou:

“De onde é que vocês saíram?”

Contamos nossa história resumida, pegamos informação de como pegar condução para rodoviária e seguimos, pois ele e sua família estavam tendo um almoço de domingo e não queríamos atrapalhar.

Na rua próximo ao sítio que saímos, encontramos um senhor com uma saveiro antiga que vendia leite em barris, pedimos carona para ele e com um pouco de jeito, Rosana convenceu ele a nos levar até a beira da estrada para pegarmos ônibus.
Cada um de nós deu R$ 10 para ele, que ficou contente, pois nem estava esperando receber nada por isso.

Às 14h embarcamos sentido Bragança Paulista.
Lá almoçamos e também tivemos problemas em pegar ônibus no trevo. Devido ao feriado, as vagas eram limitadas, então fomos para rodoviária comprar passagens para SP.
Embarcamos às 17h45 com sentido à SP.

Fotos desse dia


Avatar

Rodrigo Hortenciano

Designer gráfico, com MBA em Marketing, atuando atualmente com como analista de mídias sociais. Sempre que possível gosto de fazer uma trilha, acampar, ou viajar para algum lugar longe da muvuca e geralmente gastando bem pouco ;)

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *